Museus
Pasteur, o cientista no Sesc Santo André (SP) Publicado: 19 Abril 2022 | Última Atualização: 19 Abril 2022

Sesc Santo André recebe exposição interativa PASTEUR, O CIENTISTA, sobre as descobertas do celebrado microbiologista, com ênfase para o desenvolvimento da vacina antirrábica.

Mostra apresenta a trajetória de um dos cientistas mais importantes de todos os tempos, responsável por revolucionar campos do conhecimento como a Biologia, a Medicina e a Química e que ganhou projeção mundial pela descoberta da vacina contra a raiva, em 1885;
Exposição é fundamental para o entendimento do mecanismo e importância das vacinas, para crianças e adultos;
Interativa e didática, a mostra celebra vida e obra deste microbiologista por meio de vídeos, grafismos, animações, projeções, textos e desenhos, trazendo uma analogia natural com o momento atual do mundo no enfrentamento à pandemia; a entrada é gratuita.

Estruturada em seis atos, como uma peça de teatro, a exposição apresenta as descobertas de Pasteur em ordem cronológica: da solução de um enigma químico - cristais de ácido do vinho aparentemente iguais reagiam à luz de forma diferente - até a descoberta da vacina contra a raiva, doença infecciosa de origem viral que acomete mamíferos, inclusive o homem, e letal em praticamente 100% dos casos.

Um busto de Pasteur recebe os visitantes e, sobre ele, é projetado um videomapping - imagens em 3D - enquanto a voz da cientista Marie Pasteur, parceira de estudos e mulher de Louis, narra a trajetória do marido. Uma curiosidade -- o considerável talento artístico do pesquisador quando jovem é mostrado na reprodução de telas pintadas entre os 13 e os 20 anos.

O visitante pode entender, por exemplo, a pesquisa da vacina antirrábica num filme de animação onde uma menina, espiando da casa vizinha à do laboratório, acompanha os testes de Pasteur em coelhos; entende, através de um “microscópio”, como micro-organismos podem sobreviver sem oxigênio; espia pelo gargalo de garrafas de vinho para descobrir os segredos da fermentação da bebida; decifra junto com Pasteur o segredo dos “pastos malditos”, locais onde rebanhos inteiros morriam de antraz, entre outras atividades.

No final, um módulo especialmente produzido faz a ligação de Pasteur com o Brasil: pesquisas desenvolvidas por aqui, a admiração de D. Pedro II pelo cientista, o desenvolvimento nacional da produção de vacinas pelos Institutos Butantã e Oswaldo Cruz e seus desdobramentos na ciência contemporânea.

 

Sobre o cientista
Louis Pasteur (1822-1895) nasceu no interior da França e fez avançar a Química e a Medicina no século 19. Como um dos criadores da Microbiologia, redefiniu horizontes ao provar que existem micro-organismos e ao definir como se reproduzem, proliferam e colonizam outros organismos -- e são responsáveis pelas doenças infecciosas. Gênio da ciência, pesquisador obstinado e mestre na difusão de informações, estudou germes, vírus, fungos e demais “seres infinitamente pequenos”. Estabeleceu, assim, novos paradigmas para as ciências e novos procedimentos inclusive para a Medicina, salvando incontáveis vidas ao introduzir a assepsia nos cuidados com doentes. Antes disso, era comum que os médicos sequer lavassem as mãos nos atendimentos. Pesquisador respeitado entre seus pares - era de um extremo rigor nos métodos -, ganhou fama mundial também junto ao grande público ao descobrir a vacina contra a raiva, em 1885.