Teatro
Nerina, a Ovelha Negra Publicado: 02 Dezembro 2020 | Última Atualização: 03 Dezembro 2020

Vídeo da peça On-Line. Baseada no livro homônimo do cartunista Michele Iacocca, a premiada opereta com bonecos e atores do Maracujá Laboratório de Artes conta a história de Nerina, uma ovelha que é expulsa do rebanho só por ter uma cor diferente. 

Ao ir embora sozinha, ela acaba encontrando alguns lobos, que propõem usá-la como isca para atrair e devorar as ovelhas que a expulsaram, como forma de vingança. Mas Nerina vai provar que o ódio nunca é o melhor caminho, tomando uma decisão que mudará a vida de todas. O espetáculo, voltado para o público de todas as idades, tem como tema o racismo, que ainda persiste em existir em nossa sociedade, sendo urgente o desenvolvimento de ações que contribuam para reeducar o olhar de todos para mudar esta situação. Levar o tema ao teatro, portanto, foi a forma que o grupo encontrou para tentar fazer sua parte nesta luta.
Serviço:
Vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra
Horário: 16h
Local de transmissão: https://www.facebook.com/maracujaartes
https://www.youtube.com/c/maracujalaboratoriodeartes

Programação:

https://www.facebook.com/ccvilaformosa
5/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Vila Formosa)
18h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra
06/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Vila Formosa)
18h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

https://www.facebook.com/ccjuventude
12/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso)
16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra
13/12 (apresentação vinculada ao Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso)
16h – vídeo do espetáculo Nerina – a ovelha negra

Baseada no livro homônimo do cartunista Michele Iacocca, a premiada opereta com bonecos e atores do Maracujá Laboratório de Artes conta a história de Nerina, uma ovelha que é expulsa do rebanho só por ter uma cor diferente. Ao ir embora sozinha, ela acaba encontrando alguns lobos, que propõem usá-la como isca para atrair e devorar as ovelhas que a expulsaram, como forma de vingança. Mas Nerina vai provar que o ódio nunca é o melhor caminho, tomando uma decisão que mudará a vida de todas.

Todas as músicas foram compostas pelo autor do livro, Michele Iacocca, e pelo diretor do espetáculo e também do Maracujá Laboratório de Artes, Sidnei Caria. Para os arranjos, foi chamada a diretora musical Fernanda Maia (de “Urinal – o musical”, “Carrossel – o musical”, “Chaves – um tributo musical”, entre outros), que propôs brincar com as diferenças culturais trazidas pelas culturas negra e caucasiana e seus desdobramentos, com referências a música clássica europeia, o reggae, o blues e misturas sonoras como o samba, a bossa nova e o choro, que revelam musicalmente nossa miscigenação cultural.