Palavra de especialista
Aprendizado e diversão, a importância de balancear as atividades extracurriculares dos pequenos Publicado: 13 Fevereiro 2019 | Última Atualização: 13 Fevereiro 2019

São muitos os motivos para envolver os filhos em atividades extracurriculares: elas favorecem o desenvolvimento e habilidades complementares que vão bem além do mínimo exigido por um currículo escolar.

Por Gislene Naxara*

De quebra, ajudam a organizar a agenda de toda a família, sobretudo quando os pais trabalham fora e não contam com um auxílio doméstico para supervisionar as crianças. Mas mesmo para aqueles que estejam em escolas de período integral, podem ter atividades apropriadas para sua fase de desenvolvimento e em equilíbrio com o tempo livre.

 

É interessante que ao menos parte das atividades extracurriculares não sejam conteudistas e que abram espaço para o lazer e o desenvolvimento de outras habilidades e valores, como convivência social, desenvolvimento motor, sensibilização artística e mesmo diversão pura: o lúdico, o aprender a brincar e se divertir também são importantes na formação de um ser humano emocionalmente pleno, saudável e responsável.

 

Para os menores, até os seis anos, o fator lúdico deve ser preponderante. Seja em esportes, cursos de idiomas, musicalização infantil, dança e outras atividades, não é hora ainda de submeter os pequenos a regras complexas e competitividade. É o momento de expandir repertório, fortalecer o autoconhecimento do corpo e desenvolver habilidades básicas. Atividades mais livres e flexíveis, que deixem espaço para a experimentação, são ricas e agradáveis. Tempo de recreação precisa ocupar uma boa parte da agenda nessa fase.

 

Em outras faixas etárias as atividades extracurriculares podem ser mais direcionadas, coordenando variáveis como o interesse das crianças, o cardápio de cursos e atividades disponíveis e a possibilidade de formar uma agenda razoável, que não deixe essa segunda jornada excessivamente desgastante. Mesclar algo que se afaste do currículo, como oficinas de culinária, marcenaria ou arte, desde que dentro do campo de interesses, pode ser uma forma de relaxar de exercícios de performance mais mensurável. Os especialistas em educação recomendam atividades no máximo três vezes por semana - caso a própria criança queira, peça e esteja confortável, um aumento na frequência é possível.

 

A inserção de atividades recreativas não deve ser deixada de lado: são aquelas que promovem bem estar e satisfação pessoal, flexibilidade e aliviam o estresse. Os pais devem estar atentos em um equilíbrio entre apresentar novas possibilidades e respeitar gostos e escolhas pessoais dos filhos, já que talentos e pendores naturais começam a se tornar evidentes, assim como a tendência de preferir atividades que possam ser feitas junto com os colegas de classe.

 

É importante tratar o tempo livre como um elemento tão importante e digno de atenção na agenda quanto o conteúdo curricular e extracurricular. É o momento de descansar, de aprender a lidar com o ócio, de processar internamente todas as informações das atividades semanais ede buscar outras não programadas.

 

As atividades extracurriculares são importantes e prazerosas para as crianças e, dada a rotina profissional atribulada dos pais, tornam-se uma necessidade para muitas famílias. No entanto, não se pode sobrecarregar a criança com excesso de compromissos, tornando sua agenda semelhante à de um executivo. Pais e filhos podem trabalhar juntos para construir uma rotina funcional para todos, mas que não deixe de incluir uma boa dose de tempo livre, sem atividades dirigidas.

 

* Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil e 1° ano do Colégio Salesiano Santa Teresinha, Gislene Maria Magnossão Naxara atua na área de educação há 32 anos. Formada em Pedagogia e pós-graduada em Psicopedagogia pela Mackenzie, cursou especializações em didática de 1ª a 4ª série, semiótica e aprendizagem cooperativa com novas tecnologias na Rede Salesiana. Atualmente realiza mestrado na PUC-SP na área de Educação e Currículo.

 

Sobre o Colégio Salesiano Santa Teresinha:

Destaque como principal centro de Ensino Infantil, Fundamental e Médio, o Colégio Salesiano Santa Teresinha (Rua Dom Henrique Mourão, 201 – Santa Terezinha) foi fundado em 1937, na Zona Norte de São Paulo. A instituição é centrada na metodologia do Amor Educativo e no Sistema Preventivo, que se resumem em três dimensões: razão, espiritualidade e afeto – bases da proposta pedagógica de Dom Bosco, santo católico que atuou como educador de crianças e jovens no século XIX. Além dessa dimensão religiosa, o externato Santa Teresinha conta ainda com diversas atividades extracurriculares para desenvolver habilidades complementares aos ciclos da educação básica. Para mais informações, acesse: www.salesianost.com.br

 

Informações à imprensa:

NB Press Comunicação

Telefone: (11) 3254-6464

Contatos: Cibele Lima / Natália Lippo

E-mails: cibelelima@nbpress.com; salesiano@nbpress.com