Busca:
Home Shoppings Mar e piscina podem provocar infecções de ouvido

Newsflash

Boneca de pano é gente - Exposição

Entre os dias 25 e 28 de abril, no Clube Monte Líbano, na Lagoa, no Rio de Janeiro, haverá a 18ª edição da Patchwork Design aom a mostra “Boneca de Pano é Gente”.

Leia mais...
Sábados animados no Bossa Nova Mall

Shopping prepara programação especial para os pequenos durante o mês abril com oficinas e teatrinhos gratuitos.

Leia mais...
Olhinho de histórias

Projeto de contação de histórias que apresenta os contos "Histórias do Fundo do Baú" e "O Fio da Vida" com música.

Leia mais...
Quintal Brincante no Tear

Grátis. Nos dias 24 e 25 de abril, o Instituto Tear oferece aulas abertas de artes integradas..

Leia mais...
Mar e piscina podem provocar infecções de ouvido PDF Imprimir E-mail

Saiba como prevenir e curtir a estação mais quente do ano.

É importante seguir algumas recomendações para aproveitar o Verão sem problemas de ouvido.

O contato frequente com a água e a umidade no interior do canal do ouvido é um fator que pode predispor a infecções.

Porém, a água associada a outros fatores pode desencadear sintomas. “Cutucar o ouvido com haste flexível de algodão pode ser a gota d´água. Se o mergulho foi no mar pior ainda, pois, além da umidade e da água, temos a areia, que penetra no canal do ouvido. Esses fatores unidos potencializa as chances de infecção”, explica a médica otorrinolaringologista e Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Dra. Jeanne Oiticica.

No Verão o número de inflamações e infecções aumentam, já que a umidade, o excesso de exposição à água e o suor quando acumulados no interior do canal do ouvido, uma cavidade parcialmente fechada, tendem a favorecer a proliferação de fungos e bactérias.

Segundo a especialista a pergunta chave é o que NÃO fazer. É fundamental não introduzir nada no canal do ouvido, nenhuma haste, não cutucar, pois isso pode criar microfissuras na pele, o que desencadeia infecção.

“Entretanto, também é fundamental saber o que fazer. Deve-se secar o ouvido com uma toalha felpuda, com o próprio secador de cabelo, ou pingando uma gota de vinagre incolor no canal. Caso nada disso resolva, procure o especialista em Otorrinolaringologia para resolver a situação de maneira mais adequada possível”, esclarece a médica.

Os pais devem prestar atenção aos seguintes sinais, que sãos alertas da necessidade de procurar o especialista:

*Quando os sintomas não melhoram, mesmo após algumas tentativas de secar o ouvido

* Quando há piora dos sintomas ou surgem outros associados como dor de ouvido, sensação de ouvido tampado, otorreia (secreção que drena do canal do ouvido) e febre.

Existem fórmulas que podem ser prescritas pelo médico Otorrinolaringologista com o intuito de secar o canal do ouvido após exposição excessiva à água. “Lembre-se: Nunca introduza hastes no canal do ouvido, esse ato além de predispor a infecções, pode levar à perfuração do tímpano e em alguns casos até mesmo surdez”, alerta a especialista.

Perfil Dra. Jeanne Oiticica

Médica otorrinolaringologista, concursada pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Orientadora do Programa de Pós-Graduação Senso-Stricto da Disciplina de Otorrinolaringologia da Faculdade de Medicina da USP. Chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. Professora Colaboradora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Responsável do Ambulatório de Surdez Súbita do hospital das Clínicas – São Paulo.