Busca:
Home Museus Seletividade Alimentar Infantil: um grande desafio para os pais

Newsflash

Cinderela em o Sapatinho de Cristal

Adaptação do clássico sobre filha do viúvo que é maltratada pela madrasta até conhecer um príncipe encantado.

Leia mais...
Seletividade Alimentar Infantil: um grande desafio para os pais PDF Imprimir E-mail

Dicas práticas para ajudar os pais de criança com seletividade alimentar

Ariane Bomgosto*

O primeiro passo para tratar a seletividade alimentar é ajudar a criança a entrar em contato com as suas emoções afloradas na hora da alimentação.

Quando a criança se recusar a comer algum alimento os pais precisam atuar de uma forma que ajude a criança a verbalizar o porquê disso, os pais ou profissionais podem tentar trazer à tona as emoções da criança naquele momento. Mudar a pergunta de "por que você não quer comer?" para "o que sente ao pensar que vai comer" pode ser uma estratégia eficaz.

Muitas crianças, ao serem perguntadas sobre as suas emoções ao pensarem em determinados alimentos, respondem palavras como "nojo", "feio", "gosmento", "mole". São, na verdade, indícios para as emoções que sentem e associam ao alimento. Percebo que, muitas vezes, as crianças falam rapidamente estes sentimentos e demonstram vontade de mudar de assunto ou sair daquela situação.

Isso porque elas se incomodam de uma tal maneira que é difícil para elas lidar com aquele momento. Para crianças seletivas, é importante que sejam incentivadas a permanecerem em contato com o que sentem nesta hora. O profissional ou os pais podem, então, insistir para que a criança elabore melhor o que está resumindo em uma palavra como "nojo". Por exemplo, a esta criança pode ser dito que ela pode permanecer naquela situação e entrar em contato com o seu sentimento por um tempo maior e que isso não precisa assustá-la. Aos poucos, a criança irá aprendendo a se apropriar das suas emoções e a lidar com aquele sentimento de maneira mais segura, encarando o que sente naquele momento.

Ao aceitarem que existe algo mais complexo do que o que a criança está verbalizando como o motivo pelo qual escolhe determinados alimentos na hora de comer, os pais já deram um grande passo no processo de auxiliar os seus filhos a melhorarem suas relações com a comida.

A partir deste questionamento, a família tem a chance de iniciar a busca pelo motivo que está por trás desta fala da criança. Para esta criança, é importante que os pais digam a ela, de forma cuidadosa, que é provável que exista algum outro motivo mais forte do que o que ela está acreditando para não comer determinado alimento.

Quando os pais se propõem a fazer isso, estão ajudando o seu filho a ganhar consciência sobre a sua forma de se alimentar. A partir deste ponto, em que a criança se coloca disponível a começar a entender que o que ela tem como crença pode não ser o que a está impedindo de comer determinado alimento, os pais, junto aos profissionais que estão envolvidos no processo, podem iniciar a busca pelo o que não está sendo dito, mas que existe e paralisa a criança diante do alimento.

O principal ponto é trabalhar junto à criança e à família para ressignificar a interpretação e as consequentes crenças criadas sobre os alimentos diante das experiências alimentares vividas.

É preciso ajudar esta criança a ressignificar o momento traumático e as consequentes sensações afloradas nesta experiência. Isso porque, geralmente, uma criança ainda não é capaz de elaborar um raciocínio que a leve à conclusão de que uma nova experiência, por mais que traga a possibilidade de fazer com que ela entre em contato com algo novo, não necessariamente, irá trazer as sensações de desconforto vivenciadas no episódio traumático.

Neste caso, os pais podem dizer a esta criança que comer algo novo, ainda que desconhecido, pode ser curioso e agradável. Porém, para que esta criança se abra a esta possibilidade, é preciso verbalizar para ela que o tipo de comportamento que ela está tendo é proveniente de algo pelo qual passou e foi difícil para ela. As crianças entendem o que lhes é dito com clareza e carinho. Também são capazes de perceber quando alguém as quer ajudar. Por isso, recomendo que pais e cuidadores se empenhem na tarefa de conversar com os seus filhos sobre o comportamento que estão adotando na sua rotina alimentar. Para isso, eles podem recorrer à ajuda de profissionais para orientá-los a melhor forma de abordar o assunto com a criança.

Portanto, trazer à tona a experiência que a criança interpretou como trauma, explicando a ela que é possível ter novas sensações mesmo que o novo episódio a remeta ao que ela não quer mais passar, é importante para estimular esta criança a criar consciência sobre o seu comportamento. Este é um passo fundamental para ajuda-la a entender o motivo pelo qual está tendo dificuldade de se alimentar de forma diferente. A partir daí, esta criança poderá se dar conta de que ela consegue, agora, olhar para a situação traumática de um outro lugar, em que consegue lidar com as possíveis sensações que terá de uma outra forma, na medida em que aceita que é possível ter sensações boas, ainda que o episódio a remeta a algo que foi difícil para ela.

Quatro dicas práticas sobre seletividade alimentar

1 – Não incluir o alimento rejeitado na dieta da criança ao perceber que ela tem uma possível aversão alimentar a este. Antes disso, procurar ajuda para iniciar o tratamento para a seletividade apresentada.

2 – Não comparar o comportamento seletivo em relação aos alimentos manifestado pela criança com outra criança que apresente um comportamento diferente, sobretudo em ocasiões públicas, que exponham a dificuldade da criança a outras pessoas.

3 – Incentivar a criança a criar o diário das emoções alimentares, em que ela possa anotar o que cada alimento traz a ela no momento de comê-lo. Este diário pode ser colorido e trabalhar o apelo visual. Por exemplo, de uma lado, podem estar a imagem dos alimentos e, de outro, o que a criança sente ao se imaginar comendo-os em forma de "carinhas" demonstrando sentimentos como "nojo", "tristeza", "raiva" ou "angústia".

4 - Ao invés de perguntar de forma direta se a criança gostou ou não da comida, peça que ela a descreva usando atributos do alimento como temperatura – gelado, morno, quente -, sabor – amargo, ácido, azedo, salgado, picante e textura – crocante, cremoso, macio, gorduroso. Desta forma, ela estará desenvolvendo a sua percepção sobre os sentidos usados na hora de comer, o que a ajudará a conhecer melhor a natureza do seu paladar.

*Ariane Bomgosto é nutricionista com experiência em nutrição comportamental infantil e obesidade infantil. A sua abordagem tem como foco a nutrição comportamental, sendo a idealizadora do projeto Nutrição Comportamental Infantil e Obesidade Infantil eu trato. arianebomgosto.com.br