Busca:
Home

Newsflash

Festa do Peão

Rancho do Peãozinho reúne diversas atrações para o público infantil durante a Festa do Peão de Barretos.

Leia mais...
Rio Design Barra terá Espaço de Leitura

Turma do Instituto Rogerio Steinberg participa da inauguração do espaço.

Leia mais...
Dora no Teatro

Último fim de semana. Dora e os amigos Beni e Isa vão tentar realizar uma festa surpresa para o seu amigo “BOTAS” o macaco.

Leia mais...
Aviso

Thermas dos Laranjais terá tarifa especial em agosto. Parque tem mais de 50 atrações, incluindo a maior montanha-russa aquática do Brasil e a única pista de surfe 180° do país.

Leia mais...
Adaptação escolar: mais difícil para pais do que para os filhos PDF Imprimir E-mail

Está começando mais um semestre escolar e entre tantos desafios pelos quais pais passam com seus filhos, um tradicional acontece no momento em que a criança é inserida na escola. E não é exagero dizer que essa inserção é mais dolorosa e sofrida para os responsáveis do que para os próprios filhos, que muitas vezes iniciam essa nova fase da vida cheios de empolgação.

“Claro que o início da vida escolar marca uma nova etapa da criança, evidencia sua evolução e o início da construção da autonomia e da independência. Tudo isso gera um turbilhão de emoções na cabeça dos pais e, em muitos casos, toda essa emoção é transferida para os filhos, ainda que involuntariamente ou indiretamente, em forma de insegurança, o que torna o momento feliz em algo mais tenso”, afirma Maria José Conrado, coordenadora da Pré-Escola e do 1° ano do Colégio Palmares, de São Paulo.

A coordenadora explica que para o momento ser marcado positivamente e ocorrer com toda a tranquilidade, “são fundamentais, de um lado, a colaboração das famílias, transmitindo confiança e segurança aos seus filhos e, de outro, as ações dos educadores centradas no acolhimento, na confiança, na atenção, na paciência, no cuidado e no vínculo afetivo com os alunos”.

Primeiro, a adaptação dos pais

Anna Carolina Freitas, coordenadora do Gente Nossa, o maternal do Colégio Palmares, indica que o caminho da confiança e da adaptação total da criança deve ser construída primeiramente com os pais. “Esse acolhimento e a criação do vínculo afetivo precisa acontecer com os pais antes mesmo do primeiro dia de seus pequenos na escola”, ressalta Anna Carolina.

Para isso, antes de a criança ser inserida na vida escolar, as famílias dos pequenos entre 1 e 3 anos são convidadas ao colégio e previamente orientadas em relação aos procedimentos adotados nas primeiras semanas de aula.

“Esse contato já traz segurança para os pais e aí o processo com a criança pode ter início de forma mais amena e agradável. Vale dizer que o processo de acolhimento da criança também se dá naturalmente, com o cuidado de individualizar e acompanhar o comportamento de cada aluno”, explica a coordenadora.

Inicialmente, a criança permanece uma hora por dia na escola, aumentando gradativamente o tempo de sua permanência. Nesse período, os responsáveis, se desejarem, podem permanecer no colégio em uma área reservada para eles. “Normalmente, essa fase dura de uma a duas semanas. No entanto, há casos em que em menos de uma semana a criança já se sente plenamente acolhida na escola e os pais sentem-se seguros para retomarem a rotina nessa nova fase da vida de seus filhos”, diz Anna Carolina.

Para as crianças mais velhas, de 4 a 6 anos de idade, o colégio também realiza a orientação aos pais antes do início do período letivo, com detalhes sobre a adaptação e a dinâmica escolar da respectiva série. “Para esses mais velhos, porém, os pais não permanecem na escola durante as aulas, e as crianças passam a frequentar o horário completo desde o início, com o respaldo total e acolhimento individualizado, com a equipe pedagógica respeitando e trabalhando as eventuais dificuldades de cada aluno, de modo a superá-la e deixa-lo pronto para toda a evolução que ali acontecerá”, conclui a coordenadora Maria José Conrado.