Palavra de especialista
Queda na vacinação infantil preocupa sociedade médica Publicado: 13 Novembro 2020 | Última Atualização: 11 Novembro 2020

Laboratório Hermes Pardini alerta para necessidade de cumprir calendário previsto para as crianças

A aproximação do fim do ano por si só já chamaria a atenção dos profissionais de saúde para a necessidade de colocar o calendário de vacinação em dia antes de pegar a estrada ou o avião nos feriados de novembro ou para as viagens de férias, Natal e Réveillon. Mas em um ano de pandemia, o período exige ainda mais cuidado. Isso porque o índice de vacinação, que já vinha registrando queda nos últimos anos, caiu ainda mais. De acordo com dados do PNI, o Programa Nacional de Imunizações, a meta anual é vacinar de 90 a 95% das crianças no Brasil. De janeiro a julho de 2020, no entanto, o índice não passou de 61%.

“O coronavírus fez com que as pessoas desviassem a atenção e esquecessem de outras doenças que circulam pelo país e podem ser facilmente evitadas através da vacinação. Embora seja normal que, por receio de sair de casa, isso tenha ficado um pouco de lado, é preciso atualizar o calendário. Principalmente porque estamos na flexibilização do isolamento social e as escolas começam a retomar as atividades in loco”, explica a Dra. Melissa Palmieri, coordenadora médica de vacinas do Grupo Pardini.

Para voltar gradualmente à rotina, a especialista alerta que algumas vacinas são fundamentais. Entre elas:
Rotavírus, que previne contra tipos de rotavírus, causadores de diarreia e desidratação especialmente em crianças.
Tríplice viral (SCR - Sarampo, Caxumba e Rubéola), indicada a partir de 1 ano de vida. Atualmente o Programa Nacional de Imunizações está recomendando uma dose extra entre 6 e 12 meses de idade devido à circulação do vírus em todo território nacional com risco de acometer os bebês com formas graves ou até mortes.
Vacinas combinadas como hexavalente e pentavalente, que protegem contra difteria, tétano, coqueluche, Haemophilus influenzae b, hepatite B e poliomielite inativada.
Febre Amarela, para todos os brasileiros a partir de 9 meses de vida.

Além disso, para quem pretende viajar no verão, é recomendado verificar, com antecedência, se a região do Brasil ou o país que visitará exige medidas extras de proteção e cuidado. “Certifique-se de que o local de destino não tem nenhuma doença de ocorrência usual ou algum surto epidêmico”, afirma a Dra. Melissa. Para quem tem dúvidas, vale procurar um médico de confiança ou ir a um serviço de vacinação público ou privado e pedir para que um profissional de saúde avalie a carteirinha. “Na maioria dos casos, é importante que a vacina seja realizada de 10 a 15 dias antes da viagem. É o tempo necessário para a produção de anticorpos”, acrescenta a médica do Pardini antes de destacar as principais vacinas recomendadas no período:

VACINA DE TÉTANO
Feriados e férias são o período em que as pessoas saem da zona de segurança, fazem atividades que não estão acostumadas, tentam algum esporte novo, exploram locais diferentes e, portanto, o risco de um acidente com ferimento em pele e exposição ao tétano fica muito elevado. "A vacina contra o tétano normalmente está em dia até a adolescência. Depois, as pessoas esquecem de fazer os reforços recomendados de 10 em 10 anos. Assim, passam férias e momentos de lazer sob um risco que poderia ser facilmente evitado", explica a doutora.

HEPATITE A
A vacina de hepatite A também é importante. Como o vírus é transmitido pela ingestão de água e alimentos contaminados, os casos da doença podem aumentar no verão. O vírus da hepatite A pode, ainda, se alojar no gelo. "Alguns especialistas relatam que nesta temperatura de congelamento o vírus já foi detectado até um mês depois da contaminação. Outros falam em meses. Portanto, aquela raspadinha na praia ou a caipirinha com gelo podem representar um perigo à saúde de quem não está imunizado,” afirma a especialista do Pardini.

FEBRE AMARELA
Atualmente todo o território nacional virou área de risco para a recomendação da vacina de febre amarela e o Certificado Internacional de Vacinação contra a doença é exigido na entrada de diversos países. Vale se informar sobre a necessidade da vacina com a embaixada do local de destino ou no site da Anvisa. A vacinação pode ser feita em postos de saúde ou serviços de imunização privados autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. "O viajante não pode esquecer que essa vacina deverá ser realizada em até 10 dias antes da viagem internacional", ressalta a médica.

FEBRE TIFOIDE
Você pode nunca ter ouvido falar dela, mas a doença infectocontagiosa é comum na América Latina, Oceania, África e sul da Ásia. "Trata-se da infecção por um dos tipos da bactéria salmonela e é transmitida por alimento e água contaminados”, explica a Dra. Melissa. Está mais presente em áreas com condições precárias de saneamento, higiene pessoal e ambiental. A vacina é recomendada para quem viaja a regiões onde a incidência é alta.

MENINGITE TIPOS ACWY e B
A vacinação contra a meningite é de extrema importância, não tanto pela incidência da doença, mas pela gravidade e alto índice de letalidade. “Sem o tratamento adequado, ela pode levar à morte em menos de 24 horas”, alerta. “Se você vai viajar para regiões afastadas, com pouca ou nenhuma estrutura de saúde, reservas naturais, vilarejos, ilhas, etc, não há porque correr risco. É melhor tomar a vacina antes”.

ZIKA, DENGUE E CHIKUNGUNYA
O período de chuva associado ao calor beneficia a proliferação do Aedes aegypti. O mosquito está presente em todo o país, mas existem cidades e regiões que são mais afetadas. Se for viajar para essas áreas, use repelente e reforce a aplicação ao amanhecer e ao entardecer, já que ele costuma picar nesses períodos. Vale destacar que a vacina contra a dengue só é feita em pessoas anteriormente infectadas, visando proteger das formas graves da doença. Ela está disponível nos serviços privados para o público entre 9 e 45 anos. São recomendadas 3 doses (0, 6 e 12 meses).