Palavra de especialista
O que acontece no seu cérebro quando você ganha um presente? Publicado: 30 Dezembro 2020 | Última Atualização: 30 Dezembro 2020

Ser lembrado por alguém muda nosso dia e, mais do que isso: afeta regiões importantes do nosso cérebro, ligadas a autoestima e ao bem estar.

O prazer de receber um presente e ser importante para alguém é explicado pela ciência, ou melhor: pelo sistema de recompensas do nosso cérebro, ou núcleo accumbens. Na prática, nosso cérebro tem regiões que são ativadas com estímulos que nos trazem prazer ao longo de toda a vida.

Sistema de recompensas?
Sim! Este sistema é responsável por sensações de prazer e, quando ganhamos um presente, imediatamente, buscamos um motivo que justifique aquela atitude. “Por exemplo, se eu tenho um bom comportamento e alguém me elogia por isso, eu fico feliz e o sistema de recompensas me diz – 'Olha toda vez que você fizer uma coisa legal vai receber uma recompensa'. Então a gente reforça o comportamento positivo e tende a repetir isso”, explicou a Diretora Pedagógica do Supera Patrícia Lessa.

E como funciona com o presente?
Para um presente, a lógica é a mesma do elogio. Quando alguém oferta um presente está, de certa forma, elogiando a outra pessoa, porque quando entregamos um presente estamos dizendo, sem verbalizar, que aquela pessoa é importante e faz a diferença em nossas vidas “Então, de certa forma, a pessoa que está dando o presente está dando um estímulo para que este sistema de recompensa do nosso cérebro entenda a mensagem da seguinte forma: ‘Continue fazendo coisas positivas, continue sendo essa pessoa legal, que as pessoas estão percebendo isso, isso tem valor, isso é muito legal”, explicou Patrícia. Quem recebe o presente poderá, então, repetir o comportamento positivo de forma consciente ou não.

Recompensando adultos
É fácil entender o sistema de recompensas quando olhamos para as crianças, que esperam ganhar um presente do Papai Noel quando se comportaram bem o ano todo, mas, e no caso dos adultos? Como isso funciona? Para quem tem mais de 18 anos, o sistema de recompensas também funciona, mas, digamos, um pouco mais ‘desconfiado’ do que para as crianças. “No caso dos adultos existe uma busca imediata pelo motivo do presente – ‘Ah, essa pessoa deve gostar muito de mim. Eu devo ser merecedor (a) disso, ou devo ter feito algo muito bom para ter ganho esse presente...’. O adulto é mais desconfiado por natureza para ativar o sistema de recompensas, diferentemente das crianças que são gratuitas e não questionam. O adulto busca até mesmo a imaginação para entender o motivo pelo qual aquilo aconteceu, mas o sistema é ativado da mesma forma. A tendência é repetir o comportamento para receber mais recompensas” explicou a especialista em Ginástica para o cérebro.

Sistema de recompensas como ferramenta educacional
Ativar esses mecanismos no cérebro vai muito além de presentear pessoas. O sistema de recompensas é utilizado também de forma intencional para, por exemplo, ativar gatilhos que auxiliem na continuidade do processo educacional. Em todo o Brasil os alunos do Supera, por exemplo, recebem bônus por manter a frequência nas aulas e realizar as atividades que são propostas pelos educadores. Os bônus são convertidos em brindes Supera que os estudantes retiram nas lojinhas das unidades “Usamos o sistema de recompensas de forma proposital e muito natural há muitos anos e isso nos ajuda muito no processo de formação de nossas crianças, jovens e adultos”, disse Patrícia.

Consultoria: Supera - Ginástica para o cérebro