Busca:
Home Recreação Conheça a alergia a picada de inseto e saiba como prevenir ou cuidar

Newsflash

Gigantinhos da Lira e Alphabeto

No dia 20, às 14h, na sede da loja Alphabeto do Barrashopping haverá o lançamento da marchinha do bloco infantil Gigantes da Lira com o ator Pedro Henriques Motta, o Pippo do seriado Detetives do Prédio Azul.

Leia mais...
O Fantástico Corpo Humano

Exposição leva os visitantes para uma jornada fascinante com órgãos de verdade no Park Shopping Campo Grande.

Leia mais...
Espaço Cultural Lago de Histórias

Atividades regadas à poesia, literatura, pintura, brincadeira e, claro, muita animação.

Leia mais...
Cirque Du Soleil

Pela primeira vez na história do Cirque du Soleil, um espetáculo apresenta um elenco majoritariamente feminino, com uma banda inteiramente composta por mulheres.

Leia mais...
Conheça a alergia a picada de inseto e saiba como prevenir ou cuidar PDF Imprimir E-mail

*por Julinha Lazaretti

As alergias causam enormes desconfortos para quem sofre com elas. Com a chegada do verão e das férias, as alergias a picadas de insetos ganham destaque já que, com o calor, as pessoas andam mais expostas. As viagens para sítios, chácaras e praia, locais abertos e com maior quantidade de mosquitos, também aumentam os casos.

A alergia a picadas de insetos é causada pela saliva que é injetada pelo bichinho. Assim, se desenvolvem sintomas como coceiras, vermelhidão, inchaço e erupções no local. Geralmente, esses sintomas desaparecem em poucos dias, mas, em casos um pouco mais graves, formam feridas e podem infeccionar.

Existem basicamente dois tipos de alergia a insetos. A alergia aos insetos sugadores de sangue (mosquitos, pernilongos, borrachudos), também conhecida por “estrófulo” e as alergias aos insetos que injetam venenos, também chamados de Hymenopteras, como as abelhas, vespas e formigas.

O “estrófulo” ocorre principalmente durante a infância e diminuem ou desaparecem até a puberdade. Umas das principais características desta alergia são pequenas lesões avermelhadas e com bolhas nas áreas de maior exposição como pernas e braços, sempre com coceiras intensas. O tratamento é feito com remédios anti-inflamatórios e anti-histamínicos sempre sob orientação médica.

As alergias aos hymenopteras são mais graves podendo levar à morte. Normalmente a primeira reação é mais leve, após a picada, geralmente, a pessoa sente dor e o local fica vermelho e inchado. Aplicar gelo e fazer a limpeza da área com antisséptico costuma ser o suficiente para melhorar os sintomas. No entanto essa alergia vai se agravando de forma severa a cada nova picada, podendo, mesmo na segunda, já levar ao choque anafilático cujos sintomas são:  inchaço do rosto, aperto no peito e dificuldade para respirar, voz rouca ou língua inchada com sensação de garganta fechada, tontura ou sensação de desmaio, perda de consciência ou colapso etc. Nestes casos é imprescindível que se procure auxílio médico urgente!

Além de cuidar do pós-picada, em ambos os casos, é importante prevenir. Evitar contato com insetos é sempre a melhor maneira de se precaver das crises alérgicas. Para isso, o uso de inseticida nos cômodos e um bom repelente todos os dias são as melhores soluções.

Na hora de escolher o repelente é importante levar algumas coisas em consideração:
Prefira produto com icaridina: eles oferecem mais proteção e podem ser usados por crianças e gestantes;
Observe se ele protege contra o Aedes Aegypti. Principalmente no verão, é importante redobrar a atenção, evitar água parada e usar produtos que combatam o mosquito;
Produtos cruelty free e veganos, além de proteger, cuidam da saúde e do meio ambiente;
Durante a aplicação, proteja bem as áreas mais expostas: pernas, braços, colo, pescoço e rosto;
Para que não haja inalação do produto, aplique o spray na mão e depois espalhe pelo corpo;
Aplicar o repelente após 15 minutos da aplicação do protetor solar, item também indispensável.
O uso de inseticida e repelente são medidas preventivas que irão melhorar a vida de quem sofre com alergias a picadas de inseto. Caso ainda assim haja contato, em casos de crises, fique atento aos sintomas e conte sempre com um médico de sua confiança para melhorar a qualidade de vida!

**Julinha Lazaretti é formada em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, tem Pós Graduação em Imunologia e Especialização em Cosmetologia e é sócia diretora da Alergoshop. Há 24 anos é responsável pela área de Pesquisa e Desenvolvimento da Alergoshop e há dois anos responsável pela Operação e Expansão das Franquias.


Sobre a Alergoshop: Pioneirismo e inovação é a chave do sucesso da Alergoshop (www.alergoshop.com.br). Com mais de 20 anos de experiência no mercado, a empresa foi a primeira a entender as reais necessidades dos alérgicos no País e a desenvolver linhas livres de substâncias nocivas, pensando em cosméticos seguros, cruelty free e se antecipando as principais tendências mundiais. A Alergoshop tem 12 lojas abertas e atende todas as regiões do Brasil pelo e-commerce. No site também é possível preencher informações sobre quais substâncias o cliente tem alergia e receber um aviso dos produtos que as contém. Além disso, seguindo a premissa de levar informações para a sociedade e melhorar a qualidade de vida da população, a Alergoshop desenvolve conteúdo para o blog e para o youtube, com dicas e informações de médicos especialistas. Dentre os produtos comercializados estão: cosméticos, capas antiácaro, desodorantes, hidratantes, protetores solares, repelentes, produtos de limpeza, espaçador, desumidificador, umidificador purificadores de ar entre outros. A Alergoshop não testa seus cosméticos em animais e faz parte da lista oficial da PEA – Projeto Esperança Animal.